Mestres de Shaolin




Entrada do Original Templo de Shaolin (antes da construção do atual templo nos anos 80)






MESTRES DO TEMPLO DE SONGSHAN (SONGSHAN SHAOLIN SI)

Sistema Shaolin Tradicional



O Fundador:

Bodhidharma:

Bodhidharma veio da casta dos Guerreiros Indianos Kshatryia, do Sul da Índia.
O Rei Sughanda, pai de Bodhidharma, desejando proporcionar a seu filho a mais esmera instrução marcial que lhe fosse possível, contratou o melhor e mais famoso guerreiro da Índia para instrui-lo pessoalmente na arte marcial Indiana do Vajramushti, o Grande Mestre Prajnatara. Com o decorrer dos treinamentos Bodhidharma aprendeu técnicas altamente mortais de impressionante eficiência, mas também surgiram fortes laços de amizade entre mestre e discípulo, e mesmo quando Prajnatara se converteu do Budismo, Bodhidharma não o abandonou e continuou a praticar o Vajramushti sob sua tutela até sua morte, quando Bodhidharma foi honrado como o 28° patriarca do Budismo
A pedido de seu mestre, Prajnatara, Bodhidharma viajou á China para reconduzir a filosofia budista a sua simplicidade original. Chegando no templo de Shaolin em 520 dC, Bodhidharma procurou se tornar iluminado. Ele encontrou uma caverna nas proximidades e meditou por nove anos, construindo assim a filosofia do Budismo Chan da China. A prática Mahayana de "olhar-parede" como um tipo de meditação é atribuída a Bodhidharma e o Lankavatara Sutra é um dos textos fundamentais do Chan em relação a Bodhidharma
Ao ver que os monges não resistiam as severas horas de meditação e desmaiavam durante a pratica, Bodhidharma iniciou os monges de Shaolin em treinamentos físicos e aos monges mais elevados, era ensinada a arte marcial do Vajramushti, muito útil aos monges peregrinos que freqüentemente eram atacados em suas viagens de propagação do Budismo. A estes monges, foi ensinado por Bodhidharma duas técnicas de respiração para controlar a energia vital do corpo, o chi, essas técnicas foram chamadas de "Transformação dos Músculos e Tendões"(Yi Jin Jing) e "Limpeza da Medula Óssea"(Xi Sui Jing), e uma técnica marcial extremamente perigosa e mortal dividida em dezoito golpes de mãos que foi chamada pelos monges de "As Dezoito Mãos Do Arhat"(referindo-se á Bodhidharma) que em chinês ficou como "Shi Ba Luo Han Shou"
Dado a dificuldade de pronunciar a palavra "Vajramushti" os monges mudaram o nome desta arte marcial para "Os Punhos do Arhat", em chinês "Luo Han Quan". 
Após a morte de Bodhidharma, esta arte foi ensinada para vários outros mestres, dentro e fora do templo de Shaolin. Esses mestres criaram inúmeras outras técnicas marciais a partir das técnicas originais de Bodhidharma, como por exemplo a técnica do "Tai Zu Chang Quan", criada pelo imperador Tai Zu da dinastia Sung. E assim nasceu e floresceu a arte marcial do Shaolin C'han Kung Fu.  


Antigos Mestres:

Zhicao, Huichang e Tanzong:

Zhicao, Huichang e Tanzong foram famosos monges do templo de Shaolin Kungfu durante o início da Dinastia Tang. De acordo com a Inscrição do Templo de Shaolin e outro registro, em 621, o príncipe de Qin, Li Shimin, estava na batalha contra o general Sui, Wang Shicong, na região da montanha Songshan. Chefiada pelos monges Zhicao, Huichang e Tanzong, treze monges Shaolin armaram uma emboscada para o exército Sui, capturado o sobrinho de Wang Shicong e libertando Li Shimin. Li Shimin passou ao trono da dinastia Tang, e recompensou os monges com 40 hectares de terras e outros privilégios. Ele também recebeu o título de Grande-Geral do monge Tanzong e permitiu o templo de manter um exército de monges guerreiros. Esta vitória ganhou rapidamente popularidade para o templo de Shaolin, e com o patrocínio da corte imperial o templo de Shaolin cresceu e prosperou.



Fuyu - 福裕 -  (1203-1275):




Nascido em Wen Shui na Província de Shanxi e seu apelido era "Sheng Xiao Er" ou "Pequena Criança Santa" por ser capaz de ler um livro apenas uma vez, e entender todo seu conteúdo completamente.
Discípulo de Wansong Xíng Xiu (万松行秀) e Xiu Lin Wei  (休林为), foi um venerável mestre Chan de Caodong no início da dinastia Yuan.
Em 1245, Fuyu foi nomeado pelo primeiro imperador da dinastia Yuan, Kublai Khan como o abade do templo de Shaolin. Como o abade do Templo Shaolin, ele introduziu doutrinas de Caodong e trouxe prosperidade sem precedentes para o templo. Além disso, Mestre Fuyu, é dito, atribuiu grande importância ao kung-fu shaolin e fez esforços para aumentar o Shaolin Kung Fu.
Ele trouxe vários guerreiros Chineses e Indianos ao Templo Shaolin para que o estilo fosse aumentado. As novas técnicas foram escritas em vários livros da época, e assim passada para as próximas gerações.
Ele morreu em 1275 aos 73 anos e foi sepultado na Floresta das Pagodas.


 Jin Na Luo (Kinnara):





Nenhuma informação biográfica sobre Jin Na Luo está disponível, apenas uma historia oral, passada de mestre a discípulo. Uma história dos antigos Registros do Monte Song diz que em 1341 um monge excêntrico com um pedaço de pau apareceu inesperadamente e, em seguida, o serviram na cozinha do templo, onde o monge passou a viver e trabalhar. O monge defendeu o templo contra o ataque dos turbantes vermelhos em 26 de março de 1351 (dinastia Yuan) e foi então que descobriram que era uma encarnação do Rei Kinnara.
Posteriormente Kinnara foi reverenciada como a divindade guardiã do templo de Shaolin.
O Salão Kinnara foi construído e sua estátua consagrada dentro.





Xiaoshan:

 Xiaoshan (1500-1568) foi um dos grandes mestres Chan, durante a Dinastia Ming.
Antes de ele tomar a posição de Abade de Shaolin, ele tinha estudado com o abade anterior Yuezhou por oito anos e pregou o Budismo Chan em diversos mosteiros. Xiaoshan foi inaugurado como abade em 1557 por um decreto da corte imperial. Como o abade do Templo Shaolin, presidiu grandes encontros do Dharma para rejuvenescer a Escola Caodong no templo de Shaolin, e também levantou fundos para renovar o templo e reconstruir o Templo do Primeiro Patriarca.
Durante a luta contra os piratas na Dinastia Ming, monges guerreiros de Shaolin enviado pelo então Abade Xiaoshan derrotaram os piratas em diversas batalhas e ganharam aclamação popular por suas realizações vitoriosas. Xiaoshan se retirou de sua posição em 1566 e faleceu aos 68 anos em 1568.

Pagode (Túmulo) do Ven.Xiaoshan


Yuekong:

Yuekong foi um notável monge Kungfu durante a Dinastia Ming. Registros antigos mostram que o monge shaolin Yuekong recebeu um convite oficial para lutar contra os piratas na costa sudeste. Ele liderou uma tropa com mais de 30 monges guerreiros e derrotou muitos dos piratas, mas morreu em uma emboscada para salvar os prisioneiros tomados pelos piratas.
Sua história foi escrita na história das lutas dos monges guerreiros de Shaolin contra os piratas.


Wu Gulun (1831-1914): foi chamado de Ji Qjn no templo de Shaolin.
Ele se tornou um monge em menos de cinco anos sob a supervisão do grande abade Zhan Mo.
Durante a dinastia Qing as artes marciais foram proibidas, assim os monges de Shaolin continuaram á praticar secretamente. No ano de Daoguang, um oficial Manchu chamado Li Qing chegou ao templo Shaolin e pediu ao abade para que os monges lhes mostrar suas habilidades de kung fu.
Após o general observar os monges, os policiais Manchu voltaram temendo que os monges poderiam representar uma ameaça, os monges ficaram muito preocupados com isso, e o abade instruiu Wu Gulun para deixar o templo e continuar a tradição de Shaolin em outros lugares.
Antes de Wu Gulun deixar o templo, ele teve que manter as regras de Shaolin, as regras são: se monge ordenado deseja voltar à vida normal fora do templo, ele têm que lutar os 18 guardiões ​​de Shaolin, a fim de provar a sua habilidade e força para lidar com a vida normal fora do templo, ele foi o último monge a fazer isso na historia de Shaolin.
Wu Gulun venceu-os com facilidade e desapareceu nas montanhas para viver em uma aldeia isolada, onde continuou a praticar e preservar os segredos do Shaolin kung fu dando mais importancia ao sistema Xin Yi Ba. Durante o tempo em que viveu no templo Wu Gulun treinou os mais fortes estilos do sistema Shaolin Xin Yi Ba e se tornou um mestre nesse sistema.
Passou tudo que sabia ao seu filho Wu Shanlin, incluindo o Xin Yi Ba.



Periodo após a Dinastia Qing :


Shi Henglin - 释恒林 (1865-1923): Um dos protetores e heróis do Templo Shaolin,
antes da queima do Templo em 1928, tendo lutado em mais de 10 batalhas
militares para proteger o templo, Shi Henglin foi um grande monge guerreiro e mestre em vários
estilos de Shaolin.

Mestre Henglin e monges shaolin na batalha da revolução republicana na década de 20.



Wu Shanlin (1875-1970): Foi o segundo filho de Wu Gulum, começou seus estudos de Kung fu ajudando seu pai Wu Gulum nas roças da aldeia em que cresceu, aprendendo assim o Shaolin Kung fu.
Wu Shaolin tambem estudou medicina e foi um grande medico em sua aldeia.
A pedido de seu pai, Wu Shanlin retornou ao templo na intenção de restaurar as velhas tradições de Shaolin que ele preservou por toda sua vida. Mas depois de ver que monges da época eram homens de pouco caráter, Wu Shanlin achava que a eles não era adequado ensinar as velhas tradições de Shaolin. Ele permaneceu no templo por um período de três anos e ensinou alguns movimentos básicos para os monges e foi embora. Depois de deixar o templo, continuou procurando discípulos para transmitir as tradições de Shaolin, ele finalmente ensinou a varios alunos a tradição de Shaolin e, claro, sua maior habilidade, o Shaolin Xin Yi Ba. Entre seus discípulos estavam Shi Degen e Yang Guiwu.



Miaoxing (1891-1927): era famoso como Grande Mestre de kung-fu e líder de monges guerreiros. Ele tomou tonsura aos 8 anos e tinha estudado as técnicas tradicionais do Shaolin Quan com Mestre Henglin no templo de Shaolin. Em 1923, Miaoxing sucedeu Henglin no cargo de Abade de Shaolin.
Ele quebrou a regra de manter os segredos históricos de Shaolin das pessoas de fora do templo e passou as artes marciais de Shaolin para leigos no exercício do mandato. Seus livros, como o "As Instruções do Shaolin Quan" e as "Instruções do Shaolin Gun", como muitos outros, foram proferidas e recolhidos no templo.

Miao Xing (direita) praticando com Shi Dechan (esquerda)


Shi Zhen Chu - 释贞绪 (1893-1955): Em 1899 foi ordenado monge no Templo Longxing.
Em 1920 ele chegou ao Templo Shaolin e tornou-se um discípulo de Shi Henglin.
Ele estudou Shaolin Quan arduamente com Shi Henglin e outros monges graduados,
aprendeu técnicas avançadas como Hongquan, Tongbeiquan, Paoquan e várias armas.
Ele também praticava Tie Shen Kao e Ti Qian Jin e habilidades especializadas e
altamente avançadas no estilo.



Shi Dechan (1907-1993): Entrou para o mosteiro de Shaolin muito jovem,com 8 ou 9 anos, devido à morte de seus pais.
Ele era um excelente aluno e, uma vez que ele se tornou um monge foi enviado a outros mosteiros por alguns anos para se especializar em medicina fitoterápica tradicional e qigong.
Shi Dechan retornou ao templo Shaolin em 1927 e foi um dos monges que lutou para proteger o templo durante o período de senhores da guerra, e então um dos poucos mestres que mantiveram-se em Shaolin durante as várias as dificuldades das décadas seguintes.
Ele pesquisou fitoterapia tradicional, qigong, wugong, e teve um papel importante na preservação da textos antigos Shaolin, juntamente com Shi Suxi e Shi Deqian.
Em 1987, após a morte do abade Shi Xingzheng, foi nomeado abade de Shaolin (devido à sua idade os assuntos do templo eram governados por uma comissão).
Venerável Shi Dechan morreu em 1993, aos 86 anos.



Shi Degen - 释德根 (1914-1968): Nascido no vilarejo de Guan di Miao em Gong Xian, província de Henan. Foi mandado por seus pais ao Templo Shaolin com apenas 3 anos de idade por ser muito fraco e doente. No templo os monges cuidaram muito bem dele até que se tornou forte e começou a praticar o Shaolin Quan com 6 anos.Se tornou estudante do monge chefe Zhen Chu (1893-1955) e Wu Sanlin (1875-1970). Ele era o monge marcial chave do templo Shaolin e durante a sua vida relativamente curta tornou-se renomado por suas habilidades marciais ensinando muitos monges e discípulos leigos igualmente. A grande maioria do que é reconhecido como tradicional Kung Fu do templo Shaolin hoje é derivado das artes que Shi Degen praticou, isto inclui o shaolin Luohan Quan  que era fundamental para os seus ensinamentos. Mestre Shi Degen tinha muitos discípulos, entre  seus alunos notáveis estão Guiwu Yang, Li Yin zhang, Han Shubin, Qiuju Chen, Liu Cunliang, Liu Zhenhai, Shi Yongwen, Wang Xiqian, An Zhenxi, Liu Yanshang, Jinbao Zheng, Wang Tianren (Shi Suxiang) Dao Xingshu, Yang Jiancai e Zhu Tianxi.




Shi Xing Zheng -行正 (1914-1987): entrou na vida monástica no Templo Shaolin, quando tinha seis anos de idade. Então, seguiu Mestre Shi Debao no cultivo do Chan Budismo e na prática das artes marciais. Desde que o templo foi danificado no incêndio em 1928, ele e os monges restantes viviam em vilas, sítios e no interior  protegendo as relíquias culturais da destruição, como estátuas, imagens, textos antigos, livros e a tradição. Nos anos 50 ensinou o fundador do Shorinji Kempo, Doshin So e muitos outros, divulgando e mantendo vivo o autentico shaolin Kung Fu. Em outubro de 1986, ele se tornou o abade desde que o monge Hinayana  Buddhabhadra (Batuo) fundou o templo em 495 dC. Ao longo dos anos, ele dedicou-se ao rejuvenescimento do templo de Shaolin. Xingzheng faleceu em 1987 e suas relíquias (cinzas) foram  enterradas na floresta das  Pagodas.



Shi Hai Deng - 释海灯法师 - (1902-1989):O representante da Antiga e Original Tradição Ortodoxa do
Shaolin Chan, o Venerável Mestre Hai Deng ( shìhǎidēng Fǎshī 释 海 灯 法师) não era apenas uma autoridade importante nas artes marciais de Shaolin, mas também era um Grande Mestre do budismo Chan.
Mesmo quando ele tinha 86 anos, ele viveu uma vida muito ativa, participando das conferências budistas em cidades como Chengdu e Pequim, lendo os sutras por muitas horas todos os dias e ensinando Wugong (Kung Fu) aos seus muitos alunos e seguidores.
Mestre Haideng nasceu em 08 de fevereiro de 1902 com o nome de Fanwubing em Jiangyou na província de Sichuan. Ele nasceu em uma família muito pobre. Seu pai era alfaiate.
Mestre Haideng começou a treinar artes marciais chinesas desde que ele tinha 7 anos de idade. Seu tio Xue Jiu Zhi, um mestre conhecido de Kung Fu naquela área, ensinou-lhe as
habilidades de espada.
Com 19 anos, Fan Wubing foi aceito na Universidade de Sichuan, mas não compareceu devido a dificuldades financeiras. Em vez disso, ele participou da Academia de Polícia de Sichuan, mas depois saiu em busca de mais conhecimentos nas artes marciais.
Ele se tornou um monge de um templo budista de Jiangyoushen em Sichuan, tomando o nome Hai Deng (Lampada/Luz do Mar).
Após a queima de Shaolin em 1928, dois monges marciais de lá se refugiaram em Sichuan. Hai Deng tornou-se discípulo deles, estudando Tongzigong, Meihua Zhang (Estilo da flor de ameixa) e, aquilo que se tornou sua habilidade mais famosa, o Erzhichan (Dedos chan). Hai Deng viveu em Shaolin durante um curto período, em 1947, 1953 e 1964. A convite do anterior abade, o Venerável Shi Xingzhen, Hai Deng permaneceu no templo 1982 a 1986 para ensinar lá. Durante esse período,  foi feito o documentário que fez dele o monge mais famoso de Shaolin. Neste documentário, Mestre Hai Deng faz uma demonstração de ErZi Chan, onde aparece suspenso na ponta de um único dedo.




Shi Su Xi - 释素喜 (1924-2006):
Mestre Shi Suxi (Geng Shuanzhu) nasceu em 1924 em uma aldeia perto de Dengfeng, província de Henan. Ele se tornou um monge do Templo Shaolin em 1934 e tornou-se discípulo do monge chefe Zhen Chu. Estudou Chan, Medicina e Artes Marciais. Permanecendo no templo durante seus períodos de turbulência e dificuldade, ele tornou-se um símbolo espiritual do espírito de Shaolin e dos seus três tesouros (Budismo, Medicina e Artes Marciais).







Grão-Mestre Yang Guiwu (1931 - 2010): era de Yanshi Canjiadian, província de Henan. Ele era um discípulo do abade Shi De Chan, que lhe ensinou medicina Shaolin no templo de Shaolin. Ele estudou Kungfu tradicional com mestre Shi De Gen e também do Wu Shanlin que lhe ensinou as mais secretas técnicas do sistema Shaolin Xin Yi Ba (Controle do Coração e Mente).
70 anos de estudos de kung-fu shaolin foi o que deu ao Grão Mestre Yang Guiwu um entendimento verdadeiramente profundo de medicina, Shaolin Kung Fu e Budismo Chan. Ele se tornou um dos maiores praticantes de todos os tempos, quando ele foi agraciado com o cargo de instrutor-chefe de Kungfu tradicional dos monges guerreiros de Shaolin no templo de Shaolin. Ele teve alguns dos alunos mais habilidosos do templo Shaolin. Seu Kungfu pode ser visto em um velho documentário Shaolin filmando-o no salão dos 1000 Budas onde ele está ensinando a tecnica Hu Bu Ba do sistema Xin Yi Ba. Ele foi filmado há 30 anos na esperança de espalhar nosso verdadeiro Shaolin Kungfu ao mundo. Não só ele foi um mestre em artes marciais de Shaolin, como tambem um grande mestre no Budismo Chan e medicina Shaolin. Seus ensinamentos tem os fundamentos de manuscritos Shaolin com 500 anos de idade, que foram passadas a ele para preservar e ensinar a maneira original do kung-fu shaolin. Os manuscritos dão plenas explicações detalhadas de artes marciais de Shaolin e teoria. Quando ele decidiu que tinha chegado o momento de passar os manuscritos para continuar o caminho de Shaolin, ele passou-os para Hu Zhengsheng, juntamente com a responsabilidade de espalhar o real Shaolin Kungfu tradicional e seus conhecimentos para as futuras gerações de discípulos de Shaolin.



Mestres Shaolin Modernos.

Atualmente, há uma infinidade de  mestres Shaolin  em todo o mundo ao passo  que o Templo Shaolin ganha popularidade e segue seu passado histórico, mais uma vez. Na província de Henan, dez tradicionais  mestres de boxe Shaolin ganharam
reconhecimento : Cui Xiqi, Chengwen Chen, Chen Wujing, Fu Zhigan, Liu Baoshan, Liang Yiquan, Liu Zhenhai, Wang Changqing, Lian Heguan e Chen Ju Ne.



___________________________________________________________________________


MESTRES DO TEMPLO DE FUKIEN (FUKIEN SIULAM JI)

Sistema Shaolin do Sul

Os 5 Mestres Anciões de Shaolin (monges);

Gee Sin Sim See:

É dito ter sido um dos lendários Cinco Anciões, sobreviventes da destruição do Templo Siulam na dinastia Qing (Manchuria - 1644-1912). Ele está ligado á muitos estilos de artes marciais chinesas do sul, incluindo os cinco estilos familiares principais de Hung Gar, Lau Gar, Choy Gar, Li Gar, Mok Gar; Wing Chun e Hakka Kuen.

Gee Sin foi um monge sobrevivente de umas das destruições do Templo de Shaolin original de Henan. O Templo foi destruído por ser acusado de abrigar rebeldes anti-Qing. Gee Sin fugiu para um templo budista em Fukien com alguns de seus discípulos e passou a ensinar o Shaolin Quan abertamente (para monges e leigos). Mais tarde, este templo ficou conhecido como "Templo Shaolin do Sul" ou "Nam Siulam Ji" na linguagem local e Gee Sin se tornou o Abade deste Templo.

Com o tempo, Gee Sin e outros monges de Fukien, modificaram o Shaolin Quan original de Henan para um estilo mais violento, porem, simples e eficaz para os constantes combates que viviam na área. Gee Sin ensinou este novo Kung Fu para muitos estudantes no Templo de Fukien, incluindo Hung Hei Kwan, que mais tarde usaria as técnicas aprendidas com Gee Sin para fundar seu próprio estilo, o Hung Gar Kuen.
Alem de Hung Hei Kwan, Gee Sin treinou outros lutadores como Luk Ah Choy, posteriormente, outro grande mestre de Hung Gar. Treinou também Choy Gau Lee, Mok Da Si, Lau Sam Ngam e Li Yao San que também viriam á criar seus próprios estilos, baseado nos ensinamentos de Gee Sin. Estes estilos foram Choy Gar, Mok Gar, Lau Gar e Li Gar, que levam o nome de seus criadores.

Novamente Gee Sin é perseguido pelo exercito da Manchúria por abrigar rebeldes no templo, e o Templo de Fukien é completamente destruído. Mais uma vez Gee Sin sobrevive e foge com seus discípulos. Após anos viajando pelo Sul da China, Gee Sin e seus discípulos se juntam ao Hung Syun Hei Ban ou "A Companhia de Ópera dos Barcos Vermelhos". Gee Sin viveu com os Barcos Vermelhos durante muitos anos, ensinando Kung Fu Shaolin do Sul e continuando com seus planos contra a manchúria secretamente.


Bak Mei:


Bak Mei desempenhou um papel importante na queda do templo Shaolin do Sul.
Os Manchus conquistaram a China em 1644. Antes disso, a China tinha sido governada pela dinastia Ming, que havia sido enfraquecida pela corrupção interna e rebeliões. A dinastia Manchu ficou conhecida como a Dinastia Qing. Como parte da campanha Manchu para pacificar a China, eles atacaram alguns templos budistas de Shaolin.
O líder do Templo Shaolin, Hong Mei ("Sobrancelhas vermelhas") morreu, deixando seu legado para Chi Thien Su, também conhecido como Gee Sin (ver acima), um dos cinco Grandes Mestres de Kung Fu Shaolin do Sul.
De acordo com algumas histórias, outro mestre, Chu Long Tuyen, o monge que se tornaria mais tarde "Bak Mei", não aceitou isso. Ele acreditava que os Mings se tornaram corruptos e Gee Sin ainda os servia; Bak Mei preferiu servir a Dinastia Qing estrangeira.

Em 1723, no 6 º dia da primeira lua nova do calendário lunar, as forças de Qing lançaram um ataque furtivo no Templo Shaolin do Sul, que começou bombardeando o mosteiro, em grande parte de madeira, com uma chuva incessante de flechas em chamas. Entre o ataque surpresa, o fogo e a esmagadora maioria dos soldados Qing, 110 dos monges foram mortos naquele dia. O Grande ataque á Shaolin levou 70 dias com as forças Qing caçados os 18 sobreviventes fugitivos.
Os sobreviventes, monges guerreiros de Shaolin suportaram os ataques de seus perseguidores Qing, mas no final, os Qing eram ainda em numero muito alto. Logo, e apenas cinco monges permaneceram.
Depois de 2 anos, esses fugitivos se reagruparam no Monte Emei na província de Sichuan. Como uma das montanhas sagradas da China, o Monte Emei foi o lar de cerca de 70 mosteiros e templos onde os cinco Mestres poderiam misturar-se facilmente. Os Cinco Anciões sobreviveram, no entanto, e logo Gee Sin teria encontrado um segundo Templo Shaolin na montanha das nove Lotus, também na província de Fujian.
Lá, Bak Mei se recusou a fornecer seu nome real por medo de represálias (contra a sua família e os alunos que sobreviveram), então, o Abade do templo batizou-o de "Bak Mei" (Sobrancelhas Brancas).
Foi decidido que Bak Mei iria se infiltrar na corte Qing como um espião, enquanto os outros viajavam por toda a China para estabelecer uma aliança de rebeldes anti-Qing. No entanto, quanto mais Bak Mei aprendia sobre os Qing, mais ele percebia que os esforços dos seus aliados nunca serian suficientes para derrubar os Qing, e por isso ele deixou a rebelião, e tomaram isso como uma traição, forçando Bak Mei a fugir daqueles com quem ele estava fugindo.

Bak Mei traiu os Ming, neste ponto, levando informações sobre seu plano contra os Manchus para o Imperador Manchu Shunzhi, em seguida, retornou com informações sobre o plano de ataque Manchu ao Templo Shaolin. Depois que o templo foi destruído pelos Manchu, Bak Mei deixou o templos budistas para estudar taoísmo em outros lugares.
Bak Mei treinou uma força de ataque anti-imperio, mas após a captura desta força pelos soldados Imperiais ele foi forçado a ensinar e liderar 50 mil tropas imperiais.

Bak Mei é frequentemente retratado como um traidor, no entanto, é importante notar que as ações de Bak Mei nem sempre estão de acordo com isso. As ações de Bak Mei foram realizadas, até a destruição do templo, com a intenção de prevenir danos a quem ele tinha escolhido para segui-lo. É possível que se Bak Mei não tenha ajudado as forças imperiais, seus seguidores teriam sido torturados até a morte a apagados da História.


Ng Mui Si Tai:
Nascida com o nome de Lui Sei Leung, como filha de um general na corte imperial Ming, apreciava não só a educação que uma jovem de sua posição social deveria ter, mas o melhor treinamento marcial disponível. O estilo pessoal por ela desenvolvido, foi voltado para o combate direto ao invés de desempenho, como convém à filha de um soldado. Lui Sei Leung estava viajando no campo quando seus pais foram mortos na captura Manchu da capital Ming. Ela se refugiou no Templo Siulam de Fukien, e se tornou monja mestra do Templo e um dos líderes da rebelião anti-Qing e recebeu o nome monástico de Ng Mui (cinco / ameixa). Ela liderou invasões em palácios Manchu e em uma ocasião, teria até mesmo ajudado no assassinato do príncipe Manchu. Para mantê-la longe dos olhos curiosos dos espiões Manchu, aprendia e ensinava o Kung Fu secretamente dentro dos limites do Templo.

Ng Mui conseguiu sobreviver à destruição do Templo de Fukien pelas forças dos Qing. Ela fugiu para o Templo da Garça Branca (que é dito ter se localizado nas montanhas Daliang entre Yunnan e Sichuan), onde ensinou o Kung Fu de Siulam para vários leigos (não-monges) moradores das proximidades. Estre seus discípulos, os mais famosos são Miu Shin e uma garota de quinze anos chamada Yim Wing Chun.

As artes marciais ensinadas por Ng Mui se espalhou pelo sul da China e hoje existem muitas vertentes do sistema original ensinado pela monja. Alguns estilos de Kung Fu que tem raízes na Monja Ng Mui são o Wu Mei Pai (Ng Mui Pai), Mui Fa Kuen, Wing Chun Kuen, entre outros.

Fung Dou Dak:

Algumas das lendas dizem que Fung Dou Dak e Pak Mei juntaram forças com o exército Qing e destruiram o segundo Templo Shaolin do Sul com um enorme exército ultrapassando os monges em 10 para 1. Gee Sin, o abade do templo, foi morto por Pak Mei em um duelo durante este ataque. Depois que o templo foi destruído, Bak Mei e Fung Dou Dak saíram do templo em caminhos separados, a fim de estudar o taoísmo.

Outras fontes afirmam que Fung Dou Dak na verdade não ajudou Bak Mei a destruir o templo Shaolin. Em outros contos, Fung era leal ao Templo e enquanto este estava queimando, Fung salvou os manuais de medicina de ervas e escapou através de um túnel secreto. Ele então adota o taoísmo para despistar os soldados Qing que estavam à procura de monges budistas. Fung fez o seu caminho para uma mosteiro taoísta da montanha Emei e lá refinou suas habilidades marciais, combinando habilidades de Shaolin com os princípios taoístas. Ele foi ajudado em seus esforços por um médico e especialista em ervas chamado Doo Tin Yin que ajudou Fung a ganhar a admissão ao mosteiro taoísta e usou sua posição como um médico imperial para protege-lo de seus inimigos. Apos juntar os conhecimentos do templo Shaolin com os do templo de Emei, Fung Dou Dak criou seu próprio estilo, o Bak Fu Pai, os punhos do tigre branco.


Miu Hin:

Pouco se sabe sobre este ultimo mestre sobrevivente do templo de Fukien, era chamado de "não-raspado" pois não tinha sua cabeça raspada, indicando assim que, apesar de viver e treinar no templo ele não era um monge ordenado. O que é conhecido sobre ele é que, apos fugir do incêndio de Shaolin, ele teve uma filha e passou as técnicas do Ng Ying Kuen (punhos das 5 formas) para esta filha de nome Miu Tsui Fa, esta por sua vez passou para seu filho, o famoso lutador Fong Sai Yuk, que mais tarde foi um dos fundadores do sistema de Kung Fu Hung Gar Kuen.

Destruição e fim do templo Shaolin de Fukien por volta dos anos 1700s d.c.

Mestres Seculares (não-monges);

Hung Hei Kung (1745—1825):

Originalmente tinha o sobrenome Jyu (Jyu Hei Kung) e era um mercador de chá. Parente distante da familia real Ming, após um desentendimento com membros duma classe nobre de Manchus, durante a dinastia Qing, ele foi perseguido e se refugiou no Templo Shao Lin do Sul, em Fukien - um ponto de resistência contra a dominação Manchu e à dinastia Qing. Após algum tempo, o templo sulista também foi destruído.

Ao se refugiar no templo, Hei Kung foi aceito como aluno pelo mestre abade Gee Sin, que em pouco tempo percebeu sua habilidade e dedicação ao Kung Fu de Shao Lin. Gee Sin estava impressionado por estas qualidades e logo começou a ensinar-lhe o Hak Fu Kuen (黑虎拳 - "Punho do Tigre Negro", um dos estilos externos de maior força física e agressividade criado em Shaolin), no qual era especializado. Logo após 6 anos, Hei Kung se tornou o número 1 dos rebeldes que estavam no templo apenas para aprender a lutar, e não para aprender a religião budista, que era o objetivo principal do templo. Entretanto, logo após isto, o governo Qing destruiu o templo por estar dando abrigo a muitos rebeldes que gostariam de restaurar a última dinastia verdadeiramente chinesa, a dinastia Ming.

Com a queda do Templo Shaolin do Sul, Hei Kung e Gee Sin, disfarçados, uniram-se a grupos de atores de Ópera Chinesa que viajavam em barcos vermelhos ("Hung Sheun"), para se esconderem, e atravessaram toda a China com eles. Nestes grupos, os rebeldes treinavam o Kung Fu Shaolin sob o disfarce circense, já que o governo proibira qualquer referência a Shaolin. Numa destas viagens, Hei Kung conheceu Fong Wing Cheun (não confundir com Yim Wing Chun, do estilo Wing Chun), sobrinha do lendário Fong Sai Yuk (ou filha dele de acordo com outras fontes) e expert no estilo da Garça Shaolin. Fong ensinou à sobrinha as técnicas da Garça de Shaolin num sistema que usa ataques rápidos de bicar e também enfatiza o equilíbrio e técnicas de chutes rápidos. Na época, Gee Sin havia sido assassinado, assim como Fong Sai Yuk, e acreditava-se que tinha sido o mesmo homem o assassino (Bak Mei em algumas fontes). Hung Hei Kung aprende o estilo da Garça com Fong Wing Cheum, com quem se casa, e vinga-se da morte de seu mestre e do tio (ou pai) de sua esposa.

Hung Hei Kung, então, abriu secretamente uma escola de Kung Fu no Templo do Grande Buda, em Cantão, para treinar revolucionários. De acordo com as lendas, ele teve que adaptar suas técnicas porque os chutes rápidos e altos típicos do Norte (técnicas vindas do templo de Henan) era inapropriado para os habitantes do Sul, que eram fisicamente mais baixos que os do Norte - o povo cantonês era mais baixo e mais atarracado e preferiam usar métodos de mão. As lendas dizem que o povo sulista remava mais, assim desenvolvendo mais os braços para técnicas de mãos e que as bases no treinamento eram bem baixas e largas para a prática em barcos e lugares alagados ou escorregadios. Ele chamou sua arte de Hung Gar Kuen, ou Punhos da Família Hung, principalmente para esconder suas relações com Shaolin, pois quem fosse pego praticando as artes de Shaolin era executado. Com a proibição da prática do Kung Fu removida, Hung Hei Kung começou a ensinar abertamente sua arte, e abriu uma escola em na cidade de Fa, província de Kwungtung (Cantão).

Depois de estabilizado e famoso como mestre e artista marcial, Hung Hei Kung recebeu como discípulo um irmão marcial seu, Luk Ah Choy, perito na técnica Shaolin dos Cinco Animais. Os dois juntos realizaram grandes façanhas que foram contadas de geração após geração até nossos dias. Após um tempo, alunos e mestres se separaram e Luk Ah Choy abriu sua própria escola, onde teve muitos discípulos.


Luk Ah Choy:


Órfão desde a juventude, foi criado por seu tio, de cuja casa ele fugiu para escapar de seus caminhos excessivamente rígidos. Enquanto assistia a um performance da ópera chinesa, ele conheceu um monge (supostamente vindo do mosteiro Siulam, com o nome de Lei Baak Fu) e começou a aprender artes marciais dele. Depois de estudar por sete anos, o monge recomendou-o ao templo Shaolin, onde ele aprendeu com o venerável Gee Sin, mas seus treinos foram interrompidos por causa da destruição do templo.

Quando Luk soube que seu Sihing, ou "irmão mais velho gungfu" / colega, Hung Hei Kun, tinha aberto uma escola de artes marciais, ele decidiu ampliar seu conhecimento e continuar seus estudos sob a orientação de Hung. Com a recomendação de Hung, ele finalmente abriu sua própria escola em Gwongjau e tornou-se um dos promotores do estilo da família Hung.

Algumas fontes afirmam que Luk, sendo conhecido como "Fa Kyun" Luk A Choi, por sua magistral técnica Fa Kyun, logo deixou os círculos de artes marciais e da sociedade em geral e dedicou-se totalmente com estudos médicos. Ele morreu com 68 anos.